Testemunhar o amor – Monsenhor José Maria Pereira

Pentecostes4A Palavra de Deus (At 5 , 27- 41) apresenta o testemunho de Pedro em Cristo ressuscitado, diante do Sinédrio.

Proibido de dar testemunho de Jesus ressuscitado, Pedro repete novamente, com toda a franqueza, o anúncio da Ressurreição: “O Deus de nossos pais ressuscitou Jesus, a quem vós matastes, pregando-O numa Cruz” (At 5,30). Acaba de sair da prisão com os outros apóstolos, sabe que poderá ter que enfrentar piores dificuldades; mas não tem medo porque colocou já toda a sua confiança no Ressuscitado e compreendeu que tem de seguí-Lo nas tribulações. As suas palavras são reforçadas com uma notável afirmação: “Somos testemunhas destes fatos, nós e o Espírito Santo, que Deus concedeu àqueles que lhe obedecem” (At 5,32). É como se afirmasse que o Espírito Santo fala pela boca daqueles que, obedecendo a Deus, pregam o Evangelho enfrentando todos os riscos. Para os Apóstolos, este risco converte-se imediatamente em realidade ao serem submetidos à flagelação, mas tudo suportou com alegria, “por terem sido considerados dignos de injúrias, por causa do nome de Jesus” (At 5,41). “Pedro e os outros apóstolos responderam: “É preciso obedecer a Deus, antes que aos homens” (At 5,29). É este o testemunho que Jesus espera de cada um de nós, um testemunho livre de respeitos humanos e também do medo aos riscos e perigos. A fé intrépida dos que creem convence o mundo, mais do que qualquer outra apologia.

O Evangelho (Jo 21, 1-19) narra a terceira aparição de Cristo ressuscitado aos apóstolos.

Trata-se de uma aparição marcada por gestos de carinho e ternura, mas também de envio, de missão: a pesca milagrosa, a refeição preparada pelo próprio Ressuscitado e a entrega do primado a Pedro. Dá para perceber que a missão terrena de Jesus terminou! O ANÚNCIO DO Evangelho, agora, é missão dos discípulos; são os discípulos que espalharão a Boa-Nova pelos caminhos da humanidade.

Neste sentido, os gestos de Jesus a apontam para atitudes que devem ser assumidas no anúncio. Mas quais são essas atitudes? Basicamente três: anunciar na certeza de que é o Senhor quem nos envia; que obedecendo à sua voz sempre teremos êxito, a pesca sempre abundante; alimentar-se da Eucaristia, maior gesto de amor e cuidado do Senhor para conosco e amar o Senhor acima de tudo. Se não tivermos verdadeiro amor pelo Senhor, nosso anúncio será vazio, estéril e jamais veremos no outro um irmão, jamais seremos capazes de apascentar, ou seja, de cuidar.

A presença de Jesus ressuscitado nas margens do mar de Tiberíades revigora a missão dos discípulos de serem pescadores de homens

A pesca milagrosa simboliza a Missão da Igreja.

A noite quer indicar a ausência de Jesus (a Luz).

A Palavra de Jesus ressuscitado muda a situação.

O êxito da Missão não depende do esforço humano, mas da presença viva do Senhor Ressuscitado nessa comunidade.

Muitas vezes, “pescamos” apoiados apenas em nossas forças… confiantes, como Pedro, em nossa experiência de  “velho pescador…”

Diante do fracasso, às vezes, inevitável, desanimamos…

Vendo as redes vazias, somos tentados a largar tudo e voltar à vidinha antiga… (na família, na sociedade, na comunidade…)

Esquecemos que Jesus está sempre conosco todos os dias, até o fim do mundo e deve ser o centro da Missão…

Ele continua nos indicando onde e quando lançar as redes.

Esse caminho, percorrido pelos apóstolos, é semelhante ao caminho que também nós devemos percorrer…

Só a presença de Jesus torna a Missão fecunda…

Em nossas atividades, em quem depositamos a nossa confiança?

Estamos convencidos que sem Ele nada podemos fazer?

Estejamos atentos à voz de Cristo, da Igreja.

Busquemos na Eucaristia alimento para a nossa caminhada, força para realizar a nossa Missão.

Acolhendo com humildade a voz do Senhor, animados pelo amor, nutridos com o alimento que Cristo nos oferece, continuemos a “pescar” com renovado ardor missionário.

Com Jesus, teremos a certeza de que a pesca será abundante…

Hoje, Cristo pergunta a mim e a você: “Tu me amas?” … mais do que os familiares, os trabalhos, os amigos, o esporte?…

Tenhamos a coragem de responder com sinceridade, como Pedro: “Senhor, tu sabes que te amo.”

Esta entrada foi publicada em Artigos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *